Cotidiano
1 semana atrás

Reclamações contra ligações indesejadas crescem 75% em um ano

O Procon-SP divulgou essa semana um número de impressiona. Em um ano, o órgão registrou o cadastro de 2,6 milhões de linhas telefônicas inscritas no “Não Me Ligue”. Um aumento de 75%. O serviço protege a privacidade de quem não deseja ser incomodado com ofertas telefônicas de produtos e serviços. Só de janeiro a julho deste ano, foram feitas mais de 400 mil inscrições.

Reclamações contra ligações indesejadas crescem 75% em um ano
(Foto: Reprodução/Pixabay)

Os consumidores do Estado de São Paulo que se sentem desrespeitados com a prática podem registrar os números de telefone de sua titularidade, fixo ou celular, no site do Procon-SP. Saiba como fazer clicando aqui.

Passados 30 dias do registro do consumidor, as empresas, inclusive as de outros Estados, não poderão fazer as ligações. Casos de desrespeito devem ser denunciados ao Procon-SP, que irá apurar e aplicar multas. “A empresa tem 30 dias para ter conhecimento do cadastro e, após esse período, se fizer qualquer ligação de telemarketing, será multada”, afirma Fernando Capez, secretário de defesa do consumidor.

De janeiro a julho deste ano, foram 31.600 mil reclamações de consumidores que apesar de terem feito o cadastro, receberam chamadas de empresas; no mesmo período do ano passado foram 18 mil – um crescimento de 75%. Essas denúncias estão sendo apuradas pelas equipes da instituição e as empresas podem ser multadas.

Em vigor desde 2009, o “Não Me Ligue” não inclui empresas de cobrança, entidades filantrópicas, pesquisas de satisfação de pós-venda ou de relacionamento. O desbloqueio das linhas telefônicas pode ser feito a qualquer tempo; é possível também desbloquear a linha apenas para uma ou mais empresas. Tanto a inscrição, como a reclamação e o desbloqueio podem ser feitos por meio do site do Procon-SP.

Regional News

Com seriedade, respeito e compromisso com o leitor, o REGIONAL NEWS se propõe a preencher a lacuna existente no eixo LAPA – JUNDIAÍ, fechando parcerias e viabilizando o maior órgão de imprensa regional.

Buscar a verdade sempre, independente das forças e interesses contrários que a vida pública possa apresentar, sem jamais discriminar raça, credo, religião, posição sócio-econômica ou outras.

Vamos Bater um Papo?