Polícia
3 meses atrás

Prato de comida teria motivado crime contra menina de seis anos

O caso da menina Kauani Cristhiny Rodrigues, de seis anos, que foi encontrada morta em Mongaguá, na segunda-feira, 22, ganhou um novo rumo. É que Rodrigo de Paula Sales apontado por ter estuprado e assassinado a criança mudou sua versão a polícia e disse que decidiu matar a menina após a mãe dela ter lhe negado um prato de comida. Em depoimento anterior, o homem disse que havia agido por vingança, mas sem especificar o que realmente havia acontecido.

Prato de comida teria motivado crime contra menina de seis anos
Kauani Cristhiny estava desaparecida desde a madrugada de quarta-feira, 17 (Foto: Arquivo Pessoal/Diana Soares)

Kauani desapareceu enquanto dormia na madrugada de quarta-feira, 17. Por volta das 2 horas, a mãe notou que a filha não estava no quarto e que a porta da frente da casa estava aberta. Segundo a polícia, o assassino frequentou a casa da criança e conviveu com a família enquanto ela era dada como desaparecida.

O delegado Francisco Wenceslau, do 2º Distrito Policial de Mongaguá, que cuida do caso afirmou que o homem deu respostas desconexas no interrogatório, sustentando a versão de que todos estavam em uma festa consumindo drogas quando começaram a brigar.

De acordo com a autoridade policial, a hipótese de crime sexual será confirmada após novos exames. Para ele, o homem confessou ter realmente matado a menina mas, por outro lado, negou que tenha a agredido sexualmente. A família, por sua vez, nega qualquer tipo de desentendimento.

Para o delegado, não há dúvidas de que houve homicídio e as imagens das câmeras de monitoramento documentam o que ele afirmou durante o interrogatório.

Regional News

Com seriedade, respeito e compromisso com o leitor, o REGIONAL NEWS se propõe a preencher a lacuna existente no eixo LAPA – JUNDIAÍ, fechando parcerias e viabilizando o maior órgão de imprensa regional.

Buscar a verdade sempre, independente das forças e interesses contrários que a vida pública possa apresentar, sem jamais discriminar raça, credo, religião, posição sócio-econômica ou outras.

Vamos Bater um Papo?