Música
Nelson de Souza Lima » Música
6 meses atrás

Paulão Thomaz: o freio estourou de vez

Há algumas semanas uma notícia pegou de surpresa a cena rock underground paulistana. Após seis anos de estrada o Kamboja anunciou fim das atividades.

Paulão Thomaz: o freio estourou de vez
(Divulgação)

O comunicado chocou os fãs que, incrédulos, custaram a acreditar na veracidade da informação. Contando apenas com dois integrantes originais, o vocalista Fábio Maka Makarrão e o batera Paulão Thomaz o grupo foi no limite até que o freio estourou de vez (referência ao último trabalho dos caras lançado em 2016).

Para matar a curiosidade dos fãs e saber o que pegou fui trocar uma ideia com o Paulão, que muito gente boa, falou comigo.

Para quem ainda não sabe o Paulão é uma lenda viva da cena rock metal paulistana e brasileira. O cara começou sua trajetória lá em 1980 empunhando as baquetas do Centúrias. Com a banda participou da clássica coletânea “SP Metal”, lançada em 1983, que trazia Salário Mínimo, Avenger e Vírus.

Paulão tocou depois em vários grupos legais como Firebox, Cheap Tequila e Baranga. Neste último ficou quase 15 anos e, entre tantos momentos marcantes, abriu dois shows do Motorhead. O cara não é fraco não.

Com o Kamboja lançou os CDs “Viúva Negra” e “Até o freio estourar”. A trupe tinha passado por uma reformulação em 2017 e estava na batalha pra divulgar o trampo.

Influenciado por grandes bateras como o Rolando Castello Jr do Patrulha do Espaço, o cara tem ainda entre suas referências Made In Brazil,Tutti Frutti, Iron Maiden, Saxon e Black Sabbath.

Para ele o melhor momento do Heavy Metal brasuca rolou nos anos 80, que mesmo fadado ao underground, teve grandes representantes. “Quando o Sepultura surgiu arrebentando legal, todo mundo pensou que ia virar, mas não rolou”, diz.

Para ele o aspecto cultural também pesa. “O rock nos nossos vizinhos chilenos e argentinos é mais forte. Toquei lá com o Firebox e Baranga. Lá o jovem é bem mais roqueiro que o jovem brasileiro. Aqui divide muito. Olha o caso do Patrulha do Espaço que é muito mais respeitado na Argentina que no Brasil”, atesta o batera.

Ainda de acordo com o batera a virada dos 80 para os 90 foi também determinante para confinar ainda mais o rock pesado no underground com a popularização de gêneros como pagode, axé e sertanejo.
“Teve o Grunge também que relegou ao underground e, costumo dizer que aqui no Brasil, o underground não existe. A gente não ganha grana, nem é respeitado”, afirma.

Para Paulão alguns fatores contribuíram para o fim do Kamboja.
“Foi uma puta banda. Uma das melhores que toquei. Gravou um EP e dois CDs, um deles pela Baratos e Afins. Fazer isso nos dias atuais poucos grupos conseguem. Só que chegou ao final, devido a vários problemas internos, mas também a falta da cena, falta de respeito, falta de lugares pra tocar. Ter que pagar pra tocar não é legal. É um trabalho, uma empresa. Como vai crescer se você tiver que dar seu produto? Não vai pra frente”, lamenta

Falta de respeito por parte de contratantes e mudanças de integrantes ficaram desgastantes, além da falta de grana e ausência de público estão entre os fatores que levaram ao encerramento das atividades.

“Tocar pra dez pessoas e um show no qual o cara desligou a luz do bar foram a gota d’água. E olha que estávamos com uma formação muito boa com Marcelo Araújo na guitarra e Mauro Catani no baixo, mas não deu pra aguentar a pressão. Eu resolvi sair e o Marcelo também saiu. O nome da banda é do Makarrão, mas pelo que ele escreveu por ai, não creio que continue. Pena, mas é melhor parar uma coisa que não tá indo pra lugar algum. Ligava pros bares pra marcar show e a resposta era sempre a mesma que não dava pra pagar cachê e lugares fechando as portas”, diz.
Paulão conclui dizendo que resolveu dar um tempo. “Amo tocar bateria, quero continuar tocando. Só não sei ainda com quem, quando, como, onde e por que”, finaliza o cara com um lead mais que interrogativo.

Esperemos que em breve todas as perguntas sejam respondidas e possamos ver esse fera das baquetas de volta aos palcos. Valeu, Paulão.

Deixe seu comentário

Nota do Editor: Os comentários não são editados e são de responsabilidade dos autores. Não refletem a opinião do jornal Regional News.

Regional News

Com seriedade, respeito e compromisso com o leitor, o REGIONAL NEWS se propõe a preencher a lacuna existente no eixo LAPA – JUNDIAÍ, fechando parcerias e viabilizando o maior órgão de imprensa regional.

Buscar a verdade sempre, independente das forças e interesses contrários que a vida pública possa apresentar, sem jamais discriminar raça, credo, religião, posição sócio-econômica ou outras.

Vamos Bater um Papo?