Oráculo de Delphos (uma espécie de templo dedicado ao deus grego Apolo), Platão, Sócrates, e até Jesus Cristo, além de muitos outros filósofos que desfilariam pelos séculos à frente, de alguma forma acabaram por circundar a expressão “Conhece a ti mesmo”. Curta, breve de fácil compreensão imediata, a regra de bem viver tão fundamental à humanidade de tão conhecida, é ignorada principalmente por aqueles que a tem automaticamente nos lábios. Um dos grandes problemas que vão de encontro à profundidade necessária para esse convite à exploração íntima é a própria liquidez, a velocidade, do mundo atual, principalmente em face do fenômeno internet.

O materialismo e o egoísmo também dificultam o caminho. A remodelação de nossos vícios, os limites a serem superados, nossas qualidades aprimoradas. Uma condição que torne útil nossa existência permitindo um mundo melhor a nossos filhos, netos e bisnetos e todas as gerações que porventura vierem. O desterro da violência, da fome, do ódio e do medo a um passado lembrado apenas nas academias de nossos mundo como quadro pitoresco de um mundo já não mais existente. “Conhecereis a verdade e ela vos libertará”. Melhorando sempre. A cada instante.