A vida traz muitas dificuldades que a cada passo, a cada esquina, parecem intransponíveis e nos trazem muitas vezes a impressão de que não seremos capazes de superá-las. E então, sabe-se lá de onde, aquele sopro de esperança, de vida, anima nossos pulmões, e levantamos a cabeça e seguimos, simplesmente seguimos, superando aquela barreira, demonstrando que nossos limites se estabelecem para serem derrubados. Um pai dá meios a seus filhos para se desenvolverem, para apreenderem, e cada dia mais se construírem, edificarem, na verdadeira grande obra de cada uma de nós. Porque seria diferente com nosso Pai eterno?

O convite é para empreendermos uma grande obra de reforma, interior, íntima, nos aperfeiçoando, nos melhorando. Pouco importa se O chamarmos de Deus, Yaveh, Elohim, Pai, ou como queiram. O fato é que Ele está lá, gerindo situações para que nos desenvolvamos, tenhamos nosso aprendizado. Muitas vezes nem nos damos conta de sua maestria, de seu cuidado, de seu amor, na verdade ainda um sentimento não conhecido por grande parte da humanidade. Possamos nós voltar os olhos à nossa intimidade e perceber nossas mazelas, e mais ainda, possamos dividir com cada um de nossos irmãos os talentos, muitas vezes desconhecidos de nós mesmos. Sócrates já havia constatado a necessidade de conhecermos a si próprios. Até porque, conheceremos a verdade, e ela nos libertará… Bom final de semana e boa semana a todos.