Hospital de Clínicas de Caieiras tem recebido muitas críticas (Regional News)

Hospital de Clínicas de Caieiras tem recebido muitas críticas (Regional News)

De acordo com a ANS, Agência Nacional de Saúde Suplementar, em 2016 o Grupo Amil, responsável pela administração do Hospital de Clínica de Caieiras e Hospital Metropolitano da Lapa, em São Paulo, teve 4,7 mil reclamações registradas no órgão em no ano passado no Estado de São Paulo. Até julho desse ano, 2,7 mil novas reclamações envolvendo o gerenciamento das ações de saúde foram computadas contra a empresa.

Das mais de mil operadoras de planos de saúde com beneficiários no Brasil, a Amil ocupa o 21º lugar no ranking de reclamações da ANS, e esses dados têm preocupado quem busca atendimento nos hospitais do grupo, casos de moradores de Caieiras e região, além de uma grande parcela de pessoas da zona oeste de São Paulo que vão até o Metropolitano.

Nas mais recentes edições do jornal Regional News muitas reclamações de pacientes e clientes foram divulgadas, e a cada semana novos casos surgem e são encaminhados à redação pedindo que sejam publicados.

Hospital Metropolitano, na Lapa, é administrado pelo Grupo Amil (Reprodução)

Hospital Metropolitano, na Lapa, é administrado pelo Grupo Amil (Reprodução)

Segundo a ANS, a maioria das reclamações engloba questões relacionadas a autorizações prévias, franquia, coparticipação, entre outros. No caso dos hospitais de Caieiras e da Lapa, o atendimento precário e a falta de atenção com os pacientes lideram as críticas.

Para evitar que cada vez mais as pessoas que buscam atendimento nesses hospitais sejam tratadas como clientes e não pacientes, a ANS alerta a importância do beneficiário entrar em contato com a operadora e também registrar a reclamação junto à ANS por meio do telefone 0800 701 9656 ou pelo site.

A assessoria de imprensa da Amil informou que aprimora seus processos e serviços com base em cada contato recebido por meio de seus canais de atendimento ou por intermédio de instituições externas. Também destaca que na comparação entre os meses de maio e junho deste ano, a passou da 20ª para 21ª posição no índice geral de reclamações da ANS.