memoriaEm 29 de outubro de 1945 era vendida a primeira caneta esferográfica pela loja de departamento Gimbell´s, em Nova York, Estados Unidos, por 12 dólares, em substituição as canetas tinteiros. Apesar da novidade, este produto não teve muito sucesso à época, muito devido ao enorme custo da mesma para seu tamanho. Foram comercializada apenas dez mil unidades no seu lançamento.

Na Europa, as primeiras canetas esferográficas foram lançadas no mercado em 1949, com a designação de “caneta BIC”, que era uma abreviação do sobrenome de Marcel Bich. Devido a um preço acessível, bem menos que um dólar, US$ 0,29, a sua aceitação junto dos consumidores europeus foi boa, tornando-a num sucesso quase imediato.

O surgimento da caneta esferográfica se deu quando o jornalista húngaro Laszlo Biró visitou a redação de um jornal, e teve a ideia de criar uma caneta que utilizava uma tinta de secagem rápida, assim como a tinta do jornal que saía imediatamente da prensa seca e quase nunca borrava. Para evitar que sua invenção entupisse com uma tinta espessa, Biró propôs o uso de uma pequena esfera de metal que rolava em uma extremidade do tubo onde estava a tinta de secagem rápida. A esfera então teria duas funções: agir como um protetor para impedir que a tinta secasse e permitir que a tinta fluísse para fora da caneta a uma velocidade controlada. Começou então a produzir os primeiros modelos comerciais, as canetas Biró.

Infelizmente László Bíró não tinha condições financeiras para produzir a sua caneta em quantidade suficiente para comercialização, pelo que, em 1944, decidiu vender a sua patente em dois países: nos Estados Unidos, à empresa Eversharp-Faber, e na França ao francês Marcel Bich. Atualmente a empresa BIC fabrica milhões de canetas esferográficas BIC por dia, fornecendo praticamente a todo o planeta.